.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Partiu Louisville!

Finalmente chegou a hora de partir para Louisville, no estado de Kentucky! Mas antes, para não perder o costume, tinha que ter um último drama da mala no ônibus. Peguei um taxi do hostel até a parada, pois já era onze e pouco da noite de domingo, o que quer dizer que os horários do metrô são alterados. Cheguei cerca de meia hora antes do previsto. Um carinha com um crachá veio me abordar, se apresentando como o representante dos moradores de rua de Chicago. Ele contou uma boa história e, como é costume aqui nos States, eles te fazem um favor, como carregar as tuas malas, e depois esperam uma retribuição. Várias vezes eu não dei porra nenhuma, caralho, se quer me ajudar que seja de coração, não em troca de dinheiro. No entanto, amoleci o coração e dei um dólar a ele, que, vejam vocês, ficou bravo porque era muito pouco. “I need more, boss”. Suspirei fundo e disse que não tinha. Ele saiu resmungando. Cambada de gente maluca...
A parada da Megabus em Chicago é na frente da Union Station. Havia outros ônibus que iriam para outros destinos, e dentro do bagageiro deles, havia os carinhas com cara de mau e de donos do mundo. Senti o drama. Dessa vez, achando que pegaria um motorista gente boa, como o do trajeto Detroit-Chicago, e não botei os livros na mochila de mão, o que quer dizer que a minha mala estava mega pesada. Antes de chegar a minha vez, eles já estavam brigando com outros. A tensão estava no ar. Havia uma mãe com uma nenê no colo, e eles não recuaram, fizeram ela pagar os 25 dólares – que alguém emprestou, pois ela não tinha. Depois, havia um grupo com umas 8 pessoas, que deviam ter, juntas umas 15 malas. Tinha criança no meio do negócio. Provavelmente iriam fazer uma mudança. Eles estavam todos ali, discutindo, gritando, quando um dos carinhas malvados da Megabus veio na minha direção para colocar a minha mala no bagageiro. Ele mal a ergueu e disse “too many, man”. Teu cu, filho da puta. De novo, abri ali e escancarei as minhas cuecas e meias sujas na frente de todo mundo para tirar os livros de dentro e levar comigo. Depois ele pesou de novo e disse um “ok”, meio inconformado.
Eu subi no busão e a confusão lá fora continuou. No fim, acho que a galerinha não tinha grana pra pagar o excesso de bagagem, e acabou todo mundo indo embora, xingando e amaldiçoando a Megabus. Essa foi a maior confusão que vi e, realmente, a não ser que você está com uma mochila nas costas, o tratamento é péssimo. Ok, por outro lado, eu paguei apenas 5 dólares para viajar umas sete horas entre Chicago e Louisville.
O busão saiu meia noite e chegou lá às sete e quinze, só que tem um detalhe: em Louisville é uma hora a menos do que em Chicago. Então, no meu relógio ainda faltava uma hora para chegar, e, dali o busão iria para Nashville. A minha sorte que foi que perguntei “aqui é Louisville”?, e ao que disseram sim, saltei pra fora.
Bom, para ficar em Louisville eu aluguei um quarto em uma casa por um mês. Fiz isso por vários motivos: primeiro, com o dinheiro que eu pagaria um hotel para os sete dias da Gonzofest, eu poderia pagar um mês inteiro em um quarto. Segundo, porque eu poderia visitar os lugares em que o Hunter Thompson morou, estudou, frequentou, etc, e entrevistar as pessoas com calma. Terceiro, para sentir o clima da cidade que tanto influenciou Thompson.
O carinha que me alugou o quarto foi me buscar na parada. Estava frio pra caralho. Fiquei pensando “quando essa merda vai terminar??”. Fomos até a casa, que é bem grandinha, porém, mora ele, a mulher, dois filhos adolescentes e mais três pessoas que também alugam quarto. Bom, sobre a casa e a família eu vou comentar depois dos textos da Gonzofest, pois nos sete primeiros dias eu fiquei focado apenas no evento feito para homenagear Hunter S Thompson, criador do Jornalismo Gonzo: objeto da minha pesquisa de doutorado.

2 Comentários:

  • Tive um colega na UNISINOS, Marcos também, que foi pros States, intercâmbio de um ano, estudar e passear. Também alugou um quarto, mas quem morava na casa era uma quarentona divorciada e carente: adivinha! Acabou morando de graça! hehehehehee

    Por Blogger Marcos, às 25 de abril de 2014 21:05  

  • auhauhauha. porra alemão!

    Por Blogger Eduardo, às 25 de abril de 2014 21:58  

Postar um comentário

<< Home