.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Welcome to New York University

Bom, apesar do título ser em inglês, o texto é em português. Acho que até então não falei muito sobre a universidade que está me recebendo aqui, a New York University (NYU). Inspirei-me hoje em falar da NYU porque foi o último dia de aula no semestre. Como aluno visitante, fiz duas disciplinas: A evolução dos Meios de Comunicação, pelo departamento de Comunicação, e Introdução à Reportagem Literária, pelo departamento de Jornalismo – que aqui trabalham separadamente. Mas, antes de chegar às disciplinas, quero contextualizar um pouco sobre a universidade. Ok, crítico leitor, eu não tenho nenhuma coerência nesse blog: um texto é pura putaria, outro são comentários sobre acontecimentos cotidianos e futebol, e agora esse é um texto todo certinho sobre como é a vida na New York University.... Don’t worry about that, let’s go!
Compactando as informações do site da universidade e do Wikipédia, a NYU é a maior universidade privada dos Estados Unidos. Ela foi fundado em 1831 por um tal de Albert Gallatin. São mais de 60 mil alunos regulares, além dos visitantes e afins, como eu, que deve dar um corpo total de 100 mil estudantes. Dentre as curiosidades, a universidade formou 36 vencedores do Prêmio Nobel (vá que eu me torne o trigésimo sétimo) e 16 vencedores do prêmio Pulitzer, o mais importante do jornalismo ocidental. Apesar disso, o Joseph Pulitzer fundou o curso de Jornalismo da Universidade de Columbia. Aliás, essa é a grande rivalidade em Nova York: Columbia x NYU. As duas brigam e as duas se autodenominam as melhores. É uma briga normal, como as que temos no Brasil entre as universidades para saber qual é a melhor...
A universidade conta com 14 escolas, faculdades e divisões, que ocupam seis centros em Manhattan, e tem sede própria em outros grandes centros do mundo, como Londres, Paris, Florença, Praga, Madrid, Berlim e Xangai. Para você ter uma ideia de como é o campus, na verdade temos que começar pelo fato de que a NYU não tem um “campus”. São vários prédios espalhados por Manhattan, alguns arranha céus. Ou seja, é diferente da PUC, da Unisinos, da UCS, da USP, da Unifor, etc, onde você tem um portão de entrada/saída do campus. Na NYU são prédios da universidade que ficam dentre os prédios comerciais e residenciais em Manhattan, mas todos identificados com as tradicionais bandeiras roxas da NYU. Aliás, Columbia é mais como os campus brasileiros, com entrada e saída, mas a NYU não.
Enfim, chegamos agora ao jornalismo. O prédio onde está o jornalismo fica um pouco afastado dos demais, em Cooper Square, perto da estação de Astor Place. É um prédio de sete andares, que concentram as aulas de graduação e pós. As salas que conheci são com mesas grandes, como se fosse uma grande sala de redação. É claro que chama a atenção pelos computadores potentes, que ficam em mesas separadas, ao redor dessa grande mesa, que conta com entrada para o uso de notebooks e afins.
E, como vocês podem ver na foto, tem o tradicional mural, como tem nas universidades brasileiras. Mas é engraçado você ver um simples papel impresso em folha A4 anunciando vagas de estágio nas super-star CNN, NBC e jornais como New York Times e revistas como New Yorker e Rolling Stone. Ah, e claro, praticamente todo o dia tem palestras e eventos, como algumas que acompanhei, com caras como Gay Talese e o editor atual da revista New Yorker... Isso é diário... Você chega no prédio, olha no mural e descobre que vai ter palestra na mesma noite com o chefe da CNN ou algum repórter do New York Times que está lançando um livro, etc...
Bom, sobre as disciplinas que fiz, só posso dizer que valeu muito a pena (diria até que só essa parte já valeu a viagem). A primeira é a da Comunicação, ministrada pelo professor Rodney Benson. Na verdade, essa trata de vários autores que também vimos no Brasil (às vezes parecia uma grande revisão do que vi no Brasil), tratando de Habermas, Lipmann, Castels e outros... E a discussão, no final do semestre, caiu para o mesmo lado das discussões que dominam os Programas de Pós Graduação em Comunicação no Brasil: hackers, redes sociais, fim do impresso ou não, meio digitais, etc, etc. Qualquer aluno do PPGCOM da PUCRS se sentiria em casa nessa aula, que, no meu caso, foi mais para uma formação no doutorado em Comunicação mesmo, pois não tem muita relação direta com a minha tese.
Já a segunda foi totalmente focada na minha tese (a foto tirei hoje, no apagar das luzes, na sala onde ocorriam as aulas). A disciplina ministrada pelo professor Robert Boynton e pegou o nascimento do jornalismo literário nos Estados Unidos e veio vindo até a contemporaneidade e o contexto multimídia. Foi um show, pra mim. Só não vou dar detalhes, pois, apesar de ser sempre a favor da democratização e compartilhamento do conhecimento, também não quero entregar todas os passos da minha tese antes de ela estar pronta.... Um pouco de vaidade acadêmica também habita essa massa cinzenta... Sorry about that, but... do you know how the system works and...
Bom, então era isso! Um mini-tour pela minha passagem da NYU. Às vezes não comento nada aqui, ou nas redes sociais, pois estou guardando essa parte para a tese mesmo... E, como pretendo publicá-la como livro, futuramente, quero manter esse material inédito...
So, that’s it!

1 Comentários:

  • Então, finalmente parou de encher o saco dos colorados pra falar do teu principal objetivo, que é estudar né negão!? Hehehehehehee!

    Por Blogger Marcos, às 4 de dezembro de 2013 01:35  

Postar um comentário

<< Home