.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

O nenê mais lindo do mundo!

Sou um pai mais-que-coruja. Descubro isso a cada dia que passa. Não tenho dúvidas de que a minha pequena Larissa é o nenê mais inteligente e lindo do mundo. Para quem não é pai, isso pode soar idiota e ingênuo, mas quem é pai sabe do que estou falando.
Com um ano e dois meses, se você pergunta para ela: “onde está o pé do nenê?” ela aponta para o pé. Se você diz “cadê a cabeça do nenê?” ela põe as duas mãos na cabeça. Se você começa a bater palmas e a cantar, ela começa a dançar, a bater palmas e a murmurar “oooouuuaaaarrrbhhhhaaaa”. Quando a música acaba ela levanta os bracinhos, como se perguntasse “cadê?” e fala “cabo”. E quando eu visto uma camiseta qualquer, antes de pegar a chave do carro, ela vem e estende as suas mãozinhas pedindo um colo para ir junto tchau-tchau. Já se enxerga uma bola, pode ser até na TV, ela diz “bó! Bó!”. E se você larga uma bola no chão ela sai chutando e gritando “gooooooooo”. Porém, se ela está na piscina fazendo bagunça, olhando as outras crias pulando e saracotiando, ou se ela está brincando no parquinho com seus brinquedos no meio da areia e você diz “nenê, está na hora, vamos tchau-tchau?” ela range os dentes e balança negativamente a cabeça de forma rápida e, se você tenta insistir e pegar ela no colo, ela joga todo o seu corpo para trás, com força e rapidez, fica vermelha igual uma pimentinha, abre bem a boquinha, que tem meia dúzia de dentes, e faz um barulho ensurdecedor: “buáááááá!”. Então, como você tem o coração mole, você a larga novamente na areia e a deixa brincar mais cinco minutos, mesmo sabendo que a novela se repetirá após nova tentativa de tirá-la de seu entretenimento.
Já se você vai para perto da TV ela começa a pedir antecipadamente “co-có”, referindo-se ao DVD do Cocoricó e da Galinha Pintadinha. Se passa um carro na rua ou se ela vê o carro do vô na garagem ela pede “brum-brum”. E, se o avô dela vai em direção a porta ela começa a chamar “vô brum-brum”. Já quando ela recebe uma dura do papai ou da mamãe por fazer alguma arte, ela olha com os olhos arregalados para a vovó, que vem acudir o nenezinho na hora. Aliás, agora a vovó arranjou um cachorrinho para a neta preferida: e um faz mais arte que o outro. E se ela vê alguém comendo qualquer coisa ela já pede um pouco com seu tradicional “nham-nham”. Já água e au-au foram as primeiras palavras que ela aprendeu a falar. Outra foi “teta”. Quando ela era menor e tomava banho com a mãe dela, ela apontava para as tetas maternas, até que um dia ela aprendeu a falar “teta”. O problema foi que, de início, ela achava que a mãe dela se chamava “teta” e, cada vez que via a mãe, dizia “teta”. Depois ela aprendeu o verdadeiro significado de “teta”. Mas o problema, a partir de então, passou a ser que quando ela me via sem camisa ela apontava para a minha teta e dizia “teta”. Como todos riam, ela automaticamente dizia “teta” e caia na gargalhada. Agora, além de teta, ela diz “bigo” apontando para o umbigo. E no dia em que eu mostrei que ela também tinha “bigo”, ela deu um dos sorrisos mais lindos que já vi na vida.
Já quando ela está com sono, ela chupa o dedão e mistura riso com choro. Geralmente começa a chorar, mas aí eu mexo um pouco com ela, e ela começa a rir o seu riso mais encantador. Às vezes fico a observando brincar, levando um brinquedo de um lado para outro, tentando montar algo impossível de ser montado. Outras vezes ela vai na cozinha, abre as portas, e tenta tirar tudo para fora: panelas, potes, pacotes, talheres, panos, etc. E aí de quem tenta segurá-la. Outra coisa que ela adora são os passarinhos. Ela vê qualquer ave na rua e grita “pá-pá-pá”. Tem uma entonação diferente de quando ela me chama de “papa”. Para se referir a mim, ela diz “papapa”. Assim, emendado e sem acento. Já quando ela vê um passarinho ela fala gritado e pausado “pá-pá-pá”. Diferenças que só os pais vêem.
E eu encerro o texto por aqui, pois poderia escrever muito mais sobre cada descoberta dela em relação ao mundo e minha em relação a ela. O fato é que, se eu pudesse, passaria todos os dias, 24 horas, só a observando. É uma satisfação que, desculpem os capitalistas de plantão, não tem preço.
Hasta luego, que vou lá espiar a minha bilulinha!

5 Comentários:

  • hahaha... peraí que vou ali pegar um babador pro Ritter... asuahusahusha

    bah... que massa... deve ser uma emoção mesmo ver isso tudo de pertinho... como que ainda têm pais que perdem isso por motivos bem irrelevantes... não entendo...

    mas tchê... aquela primeira foto tah a latinha da Kérol... asuahusahusha

    abraço ae manolo!

    Por Blogger Mr. Gomelli, às 24 de janeiro de 2012 19:10  

  • Haha! Descobrindo o êxtase e o terror de ser pai! Aproveita bem pai/garoto, depois ela vai crescer e virá um barbado, em quem você não vai confiar nem um pouquinho, e a levará de você! O pior é que ela irá sorrindo feliz!
    Mas é bem assim, cada som, cada palavrinha,cada gesto, cada atitude, são um mistério e uma maravilha que não cansamos de observar; ficamos orgulhosos, afinal fomos nós que geramos aquele serzinho que rompe pela vida com uma ânsia fenomenal!
    Vai curtindo primo alemão...

    Por Blogger Marcos, às 25 de janeiro de 2012 05:30  

  • que barbado o quê, alemão, ta maluco? cada dia afio o facão um pouco... até lá ele vai estar tinindo!!!!

    Por Blogger Eduardo, às 25 de janeiro de 2012 09:42  

  • Tem razão o alemão Marcos! Curte agora, pq depois os pais não sabem mais nada... o mundo vence... hehehe... foi assim comigo, contigo, c/tds...
    Mas eu estou tb curtindo cada dia mais, babando c/a netinha, relembrando coisas da infância dos filhos... para mim é a neta mais linda, abençoada e inteligente q há!!!

    Por Blogger Nara Miriam, às 25 de janeiro de 2012 10:20  

  • Lindo texto, percebe-se que vem do coração,o mundo seria bem melhor se todos os pais amassem tsnto assim os filhos.
    PARABÉNS DUDU!

    Por Blogger ALDAIR, às 27 de janeiro de 2012 10:10  

Postar um comentário

<< Home