.

sábado, 24 de março de 2012

Thompson x Filosofia

Nesse semestre, não sei ainda qual está sendo a maior loucura que estou fazendo: a minha imersão total, teoricamente falando, no mundo gonzo de Hunter S. Thompson, ou se a disciplina do curso de filosofia que optei por fazer nesse início de caminhada à lá Caverna do Dragão no doutorado em Comunicação da PUCRS. No curso encontro a turma toda: o Eric, o Bob, o Vingador (ele sempre aparece), ah, e claro!, o mestre dos Magos! Que, obviamente, desconfio que é o Vingador. Enfim, estou andando pela trilha sem saber se vou encontrar o caminho...
O fato é que nessa disciplina de filosofia descobri que não entendo patavinas de filosofia e estou tentando me pré-alfabetizar no assunto. Meu professor ou não responde meus emails, ou responde dizendo para “que eu leia os emails”, ou seja, ele quer dizer que eu não entendo o que leio, o que, em termos de textos teóricos de filosofia, faz sentido...
Mas sobre a outra loucura, a imersão total no mundo gonzo, essa sim, está me enlouquecendo. Em todos os sentidos. Chegou dia desses o livro Gonzo – The life of Hunter S. Thompson, de Jann S. Wenner & Corey Seymour. Em dois dias, após mais ou menos duas horas de trabalho, traduzi aproximadamente cinco páginas do livro. Óbvio que é uma tradução meio porca, mas não tenho como pedir para o meu primo Alemão traduzir tudo pra mim, então, estou traduzindo aos poucos, do meu jeito (totalmente gonzo) e, assim, vou aprimorando meu precário inglês. Aliás, tenho pouco tempo para aprimorar a língua de Thompson, pois, pelo que tudo indica, novidades bombásticas estão à vista na minha perra e emperrada vida....
Além disso, comecei a ler o livro Piravataria Tucana, um puta livro-denúncia, além dos textos normais das disciplinas do doutorado, dos textos das disciplinas que estou ministrando na UFPEL, das revistas que insisto em comprar, mesmo sem ter tempo de lê-las, etc, etc, etc.
O resumo do livro, em tradução minha, está no relato Karen Haymon Long, do Tampa Tribune, sobre a obra: “O livro de Wernner e Seymour’s baseia-se nas memórias de algumas pessoas que melhor conheceram Thompson: amigos de infância, editores, vizinhos, e garçons. Eles lembram todos os tipos de coisas sobre o homem que inventou o jornalismo gonzo”. Enfim, foram 112 entrevistados pelos autores, além da introdução escrita por Johnny Deep (que interpreta o Hunter no filme, baseado no livro, Rum: Diário de um jornalista bêbado, que já tenho aqui na estante, pronto para ser assistido). Bom, vou seguir minhas leituras, pois, em termos de Thompson, ainda sou um baby.
Por hora é isso! Hasta!

1 Comentários:

  • poiseh... por isso que não visita mais o blog dos amigos... hahaha

    tchê, loko, sou teu fã. Já disse isso... um dia quem sabe eu tenho um mínimo dessa capacidade de ler e se interessar por essas leituras aí... por enquanto sigo assistindo meus seriados... ashuahusahsha

    Abraço ae! o/

    Por Blogger Mr. Gomelli, às 24 de março de 2012 22:46  

Postar um comentário

<< Home