.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Desculpas esfarrapadas

Comecemos pelas desculpas esfarrapadas dos colorados. Após levar um banho de bola do Santos, que além dos três gols que fez ainda perdeu, no mínimo, outros três, os colorados querem achar um culpado para a derrota fiasquenta de quarta-feira. Houve até quem quisesse colocar a culpa no pobre do árbitro. Está bem, ele cometeu seus erros, mas a principal reclamação dos colorados não procede: o Índio foi na bola, sim, mas enquanto caía, ele puxava o Borges pelo braço. E, só por ser polêmico, o árbitro já está absolvido.
Outra desculpa esfarrapada é dizer que o Inter perdeu porque o Dagoberto não começou jogando. É sempre assim: um dia é Dagoberto, no outro é o D’Alessandro, num terceiro é o Guiñazu, etc. Meus amigos, clube de futebol não é feito de 11 jogadores. Time vencedor tem que ter elenco e um técnico que saiba trabalhar com esse elenco! Diante das reclamações dos colorados, começo a visualizar uma nova passagem de Celso Roth pela beira do Guaíba...
Bom, mas resumindo, os colorados querem arranjar desculpas para justificar o que o próprio Dorival Júnior profetizou: parar Neymar quando ele está em uma noite inspirada é impossível. Só com falta. Mas como o Inter teve muita auto-confiança e não quis derrubar o guri, deu no que deu...
Desculpas esfarrapadas II – Com o Grêmio, nessa semana, a coisa não foi muito diferente. Jogou mal, perdeu até de levar uma goleada do inexpressível River Plate do Sergipe, que é patrocinado pelo Calcinha Preta. Os três gols no final só livraram o time de Luxemburgo de um vexame histórico e que resultaria em intermináveis piadas relacionando o River com o seu patrocinador exótico. E o Grêmio também está partindo para as desculpas esfarrapadas. Luxemburgo chegou a justificar a derrota para o Caxias nos pênaltis pela ausência do Leo Gago. E ontem foi o campo, foi a qualidade (!?!?!) do River, etc. Querem me matar! A sorte do Grêmio é que os torcedores adotam a filosofia do “você não vale nada mais eu gosto de você”...
Desculpas esfarrapadas III – Por fim, chegamos a nossa SER Santo Ângelo. O cansaço não pode ser desculpa para levar um gol aos 47 minutos do segundo tempo. Time que quer subir tem que estar ligado até na hora de dormir. O torcedor missioneiro conhece bem essa história: em 2007 o time liderou todo o octogonal final e, num único cochilo, perdeu para o Rio Grande, que já não disputava nada, em casa, e ficou de fora. Como diria meu amigo Tiago Beck: Tem que se ligar, cabeção! Nova derrota amanhã e adiós primeirona.
Um bom final de semana a todos, de preferência, sem desculpas esfarrapadas...

*Texto publicado no J Missões de sábado.

1 Comentários:

  • Em Ijuí o jogo do Inter só passou em uma conhecida pastelaria perto da Fidene. Quando cheguei, fui barrado, não cabia mais um prego em pé, resultado, tive que ficar espiando pela janela, eu e mais uma multidão.
    Quanto ao jogo, eu acho que quando uma coisa é, é. O Inter levou um baile do tal de Neimar, ele sózinho abriu uma avenida pelo lado esquerdo da equipe. O pênalti, bem o juiz podia dar falta do Borges ou falta do Índio, decidiu fazer um afago à torcida local.
    Hasta.

    Por Blogger Marcos, às 8 de março de 2012 13:22  

Postar um comentário

<< Home