.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Pegadinha do Malandro na Zona Sul - Rá-Rá!

Como corneteiro de plantão, quebrei a cara. Morando em Pelotas, tive a coragem de tirar onda com os xavantes antes da hora e deu no que deu. Tendo visto os jogos do Brasil de Pelotas nesse ano pela Série C do Brasielirão e pela copinha, achava que a SER tinha boas chances de ganhar em casa do xavante por um motivo bem simples: o rubro-negro do sul do Estado está com um time muito ruim. Aliás, aqui em Pelotas, isso é consenso. A torcida xavante, a maior e mais fanática do interior, está completamente desanimada com a queda do time para a série D do Campeonato Brasileiro. O que era sonho de subir para a segundona do nacional virou pesadelo. Para piorar a situação, o time não está se encontrando para voltar à elite do futebol gaúcho, da mesma forma que a um bom tempo está acontecendo com a nossa SER.
Na quarta-feira, liguei o rádio a todo o volume aqui nas proximidades da UCPEl. Parecia jogo de Copa do Mundo. Passei o dia esperando pelo confronto. Pensei: agora vamos mostrar para esses pelotenses a garra missioneira. Tirei onda com meus alunos xavantes, mexi com o barbeiro que corta meu cabelo aqui perto de casa e, quando via alguém com a camisa xavante na rua, dizia: “quarta vocês vão ver!” e completava com a voz do Serginho Malandro: “Rá-Rá!”. Os caras franziam a testa, como se dissessem “quem é esse maluco?” e eu dizia “vão jogar contra o meu time: a SER Santo Ângelo”. Então, os caras diziam “ah, não duvido, porque nosso time tá uma bosta”. E, devido a depressão rubro-negra, realmente acreditei na SER. E, pelo que ouvi no rádio, tinha motivos para acreditar, pois só a SER pressionava. Aliás, comemorei junto com a minha filha de 11 meses o gol santo-angelense! Quase cheguei ao ponto de berrar na janela para o síndico do prédio: “toma seu fia da pu...”. Mas me controlei, afinal, provavelmente eu ainda vá assistir a jogos do xavante na torcida rubro-negra. Enfim, estava todo empolgado, já me vendo nas arquibancadas do Bento Freitas, no domingo, comemorando uma classificação missioneira nesse templo do futebol gaúcho quando... Quando? Quando a SER Santo Ângelo simplesmente abriu as pernas e se entregou como uma pintscher no cio se entregaria para um rottweiler feroz e sedento por prazer carnal. Depois do jogo, quando os xavante cobraram a minha corneta, eu simplesmente tive que fazer novamente a voz do Serginho Malandro e dizer: “Rá-rá! Pegadinha do Malandro!”.
Amanhã, entretanto, quero acreditar que a SER possa inverter os papéis e se recuperar com uma vitória épica na zona sul do Estado. Quero que os jogadores desse clube, tão carente de bons times e de bons resultados, façam o mesmo que o Universidad, do Chile, fez com outro rubro-negro, o carioca, no Rio de Janeiro nessa semana: atropele, passe por cima, humilhe, coloque na roda e faça gols de todos os jeitos. Sei que é difícil, mas sonhar não custa nada.
E sobre a dupla Gre-Nal? Nada de mais, só mais dois jogos para cumprir tabela enquanto esperamos o ano que vem. Minha aposta é vitória tricolor em Minas, diante da ruindade do América, e derrota do Inter para o Corinthians no Beira-Rio. Além do time do Inter ser fraco, os corintianos ultimamente tem se sentido em casa jogando na beira do Guaíba... Aliás, se o Inter é o pai do São Paulo, o Corinthians é o pai do Inter.
Um bom final de semana a todos.

*Texto publicado no J Missões do próximo sábado.

1 Comentários:

  • HAHAHHAA...

    baah tchê... que decepção... também me empolguei com a possibilidade da SER fazer uma vantagem mínima ao menos no jogo de ida. Levei meus fones de ouvido pra aula pra ouvir o jogo...

    tava feliz da vida com a pressão, com a postura da SER. Fiquei mais ainda com o gol do Josimar. Ouvia os caras da rádio daqui indignados porque o Brasil não jogava...

    aí a SER vai lá e se entrega daquele jeito, com um a mais ainda...

    bah... que sacanagem... ¬¬

    Por Blogger Mr. Gomelli, às 20 de outubro de 2011 09:51  

Postar um comentário

<< Home