.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Bilionários por acaso

Na tentativa de me tornar um bilionário, peguei emprestado com o meu irmão o livro “Bilionários por acaso – a criação do Facebook – Uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição”, de Ben Mezrich. Ele conta a história de dois nerds de Harvard, que criaram o Facebook: Mark Zuckerberg (o verdadeiro criador, gênio da informática e dono do empreendimento) e o brasileiro Eduardo Zaverin (que investiu seu capital e bancou o negócio todo logo quando Mark inventou o facebook num quarto universitário com o objetivo de se dar bem com as minas do campus). Terminei de ler o livro meia horinha atrás. Resumidamente, é um bom livro. Indico a todos. São histórias curiosas, porém, o triste é que você descobre que o cara ficou bilionário porque é um gênio da informática. Ou seja, está longe de ser um manual de “como ficar rico”.
Aponto como ponto baixo do livro algumas descrições excessivamente longas e romanceadas, principalmente no início. Parece que Ben Mazrich queria mostrar sua capacidade estética literária, mas, se você superar as primeiras descrições exageradas do autor, depois o livro fica ótimo e, na medida em que ele acerta a dose, a narrativa passa a te prender a atenção 100% e, então, você passa a querer pular logo para a página seguinte para saber o que aconteceu. Como o autor e todo mundo que conheceu Mark afirma: ele é uma incógnita. Até assisti algumas entrevistas dele na internet, enquanto lia o livro, só que continuei com a mesma impressão de antes: trata-se de um ser indecifrável. Fiquei mais confuso ainda. Não é a toa que ele virou bilionário...
Enquanto escrevia aqui, meu irmão abriu a porta e disse “viu pelo livro como as mulheres não prestam?”. De fato, a informação procede, pois, quando Mark e Eduardo eram dois nerds que passavam os dias em cima de livros e do computador, estudando e invejando os playboys que pegavam as mais lindas universitárias de Harvard, eles não recebiam nem um olhar misericordioso das beldades. Porém, assim que eles começaram a fazer sucesso com o thefacebook (que depois virou só facebook) as minas, não só olhavam, como iam falar com eles, se insinuavam, se esfregavam, enfim, quanto mais gostosas mais elas se atiravam e mais eles comiam elas! Psicologia feminina... Apesar de que, até entendo elas. Mas outra hora falo mais disso. Por hora, fica a dica desse livro para os preguiçosos leitorinhos.

4 Comentários:

  • A QUESTÃ É QUE SOMOS DAS MALDITAS ÁREAS HUMANAS E NUNCA FICAREMOS BILIONÁRIOS UHUHUHUHUHU

    Por Blogger Carolina, às 1 de dezembro de 2010 08:58  

  • Ritter...eu só vi o filme "The Social Network" que foi baseado neste livro. Pergunto: o criador do Napster está no livro como um dos "sócios" do Facebook?

    No filme ele aparece como o cara que ajuda a desenvolver o negocio, quando ele ainda não era um negocio.
    E também [no filme] é ele quem sugere para que seja excluído o "The", ficando somente Facebook.

    No livro é assim também?

    Nas pesquisa que fiz na net, vi muitas criticas ao filme/livro, dizendo que muita coisa não era real, pura ficção.

    Aqui uma entrevista com o autor do livro,massss...vai confiar na Veja.

    http://bit.ly/hRZxOd

    Abraço "sogrão"...hehehe

    Por OpenID mkelm, às 1 de dezembro de 2010 10:10  

  • então, tipow, o cara sugeriu mesmo que tirasse o "the" e, a partir da entrada dele, o eduardo começa a perder espaço e acaba saindo mais pra frente. aliás, o eduardo é a grande fonte do autor do livro. mas o cara do napster também acaba saindo mais pra frente... to curioso pra ve o filme. vo le a entrevista. abraço maluco

    Por Blogger Eduardo, às 1 de dezembro de 2010 12:00  

  • mulheres interesseiras rssss

    Por Blogger Fábio Ritter, às 2 de dezembro de 2010 15:01  

Postar um comentário

<< Home