.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

O primeiro autógrafo


Dei o primeiro autógrafo da minha vida. Caraca, que coisa estranha. Mas antes de chegar nele, explico que domingo estive na Feira do Livro de Porto Alegre, quando foi lançado o livro “Os melhores contos para não deixar a vida esfriar”, numa promoção da Nescafé com o Grupo RBS. No total, 25 contos foram selecionados e publicados durante a Feira. Até o próximo domingo, dia 15, todos os dias, das 14h às 16h, são feitas as leituras dos contos vencedores no auditório do Espaço Pasárgada, com a presença de alguns dos autores. Além de domingo, eu deveria ter participado hoje, mas aconteceram alguns problemas estomacais graves que impossibilitaram a minha participação. Ontem foi tudo okey. Eram quatro autores presentes, entre eles, eu. O carinha lia alguns contos e intercalava com entrevistas com um autor por vez. Ao final, houve a sessão de autógrafos.
Vou contar agora como foi o primeiro autógrafo da minha vida. Chamaram-nos para a mesa, que estava preparada para sentarmos e autografarmos os livros, no entanto, quando me levantei da cadeira, um senhor veio com o livro em mãos e me entregou. No entanto, fui pego de surpresa, pois não tinha caneta. Alguém ali por perto tinha, e me alcançou. Putz, como se dá um autógrafo? Assinar só o nome? Escrever um recado? Que recado? Quantas questões, meu pai? E agora? Já começava a suar nervoso, enquanto o senhor aguardava... Foi então que surgiu uma luz:
- Como é o seu nome? – perguntei.
- Eugênio.
Eugênio, Eugênio. Putz, pensei rapidamente, ainda bem que é um nome fácil. Imagina se fosse Cristian. Existem também Christians, com “h”, aí teria que perguntar “com ‘h’ ou sem ‘h’?”. Geralmente as pessoas não gostam que você pergunte como escreve o nome delas, porém, como jornalista, deveria estar acostumado com isso, pois nunca tive vergonha de perguntar como se escreve um nome. Mas, sempre tem um mas, para autógrafos a coisa é diferente. Um leitor não é um entrevistado. É muito mais que isso. Você não quer desagradar aquela pessoa que se dirigiu até você para pegar a sua assinatura, ou melhor, o seu autógrafo. Já estou me sentindo até experiente em autógrafos... tu vês. Enfim, enquanto todas as coisas se passavam pela minha cabeça, escrevi: “Eugênio, boas leituras, um forte abraço, Eduardo Ritter”. Acho que foi mais ou menos isso. E acho que foi isso que escrevi para os outros 25 ou 30 livros que me deram para autografar. Ou teriam sido 15? Ou teriam sido 50? Ou teriam sido cinco? Ou teriam sido 100?? Vá saber. Enfim, foram autógrafos para pessoas que eu não conhecia, o que me deixou um tanto sem jeito.
Antes de encerrar, vou contar rapidamente a história do carinha que estava ao meu lado. Minha irmã era a única criatura conhecida na história toda, e ela aproveitou para pegar o autógrafo dos outros autores que estavam presentes. E não é que o carinha dá em cima da minha irmã via autógrafo? O maluco escreveu mais ou menos assim: “Carol, obrigado pela preferência ‘indireta’, fulano”. Caraca. O indireta foi com aspas mesmo. Não conseguimos decifrar o real significado da frase, mas para mim, o sujeito deu em cima dela. Ainda disse pra ela, depois: “pô, essa é uma cantada inédita. Nunca tinha ouvido falar de dar em cima através de autógrafo... eu heim”. E assim segue a vida...
Enfim, foi uma boa experiência. Nunca imaginei que um dia ia dar um autógrafo. Já pedi vários: pra Fernanda Abreu, pro Ronaldinho Gaúcho, pro Paulo Nunes, pro Luis Fernando Verissimo, até pro Zé Alcino e pro Zé Afonso!! Que cosa. Agora chega de papo furado e vamos ao mini-conto, selecionado para o livro. Esclareço que o tema do concurso era “não deixe a vida esfriar” e havia um limite de, se não me engano, 400 caracteres. Ah, e o título eles que colocaram, pois não havia espaço na inscrição. Então, agora sim, segue o mini-conto:

Romance
Otávio voltou a se sentir vivo naquele entardecer.
Aos 64 anos, sentiu-se como se tivesse 15 quando viu aquela mulher loira, com olhar sedutor e belo sorriso. Decidiu conquista-la.
Dirigiu-se até ela e entregou-lhe uma rosa com um cartão que dizia:
“Sou o homem mais feliz do mundo por ter você do meu lado nos últimos 30 anos”.
E assim, Otávio e a esposa nunca deixaram as suas vidas esfriarem.

8 Comentários:

  • e viva o manuxo!!! pq nao conta do belo autográfo q tu me deu? o segundo da tua vida! eduardo ritter ele escreveu, só isso! nem uma palavra a mais, nem a menos! deusolivre! e o cara nao deu em cima de mim...só nao entendi o preferencia indireta aé agora... vá saber..gente louca! mas parabénss manuxo! que sejam os primeiros de muitos

    Por Blogger Carolina, às 10 de novembro de 2009 12:57  

  • Meu Zizinho dando autógrafos!! Q lindo....
    e como conseguiste resumir em poucas linhas uma vida toda????
    Parabéns! e que venham muitos outros autógrafos doravante.......

    Por Blogger Nara Miriam, às 10 de novembro de 2009 15:09  

  • Má que chique!
    Eu só autografo o contracheque... hahaha

    Por Blogger Tiarajú, às 10 de novembro de 2009 17:03  

  • Ô! Eu quero o meu exemplar autografado... entendeste?

    Por Blogger Espaço Diverso, às 10 de novembro de 2009 17:27  

  • Porra alemao! Parabéns, e o caminho é esse.

    Eu atè hoje sò dei autògrafos pra conhecidos quando publicaram meu conto. Deve ser mesmo estranho vir uma pessoa que vc nunca viu na vida te pedir pra autografar.

    E a verdade nao è diversa. Embora talvez possa ser outra, mas ninguem sabe ao certo.

    Por Blogger Zaratustra, às 10 de novembro de 2009 20:37  

  • Hein! Também quero um exemplar...

    Por Blogger Ana, às 11 de novembro de 2009 03:01  

  • Grande Dudu!
    Isso mesmo, não espere.
    A escrita já te ganhou.
    Parabéns!

    Por Blogger Reges Schwaab, às 13 de novembro de 2009 03:01  

  • Mas que maravilha Edu, se eu soubesse teria ido lá pegar um autógrafo seu, mas de qualquer maneira te desejo muitas felicidades nessa nva empreitada.
    Bjos.

    Por Blogger juliana, às 1 de dezembro de 2009 08:43  

Postar um comentário

<< Home