.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Entre amigos


Ramon havia se separado há quatro meses e desde então estava só na punheta. Quando rolou o divórcio, achou que ia sair por ai, comendo todo mundo, mas depois de dois meses fazendo festa e vez em quando só dando uns beijos, começou a cansar. Principalmente porque as garotas que estava conhecendo queriam relacionamento sério, e para Ramon, após sete anos de casado, a última coisa que ele almejava era um relacionamento sério.
Os quatro meses de punheta começaram com muita ansiedade, mas agora ele estava entrando em uma fase depressiva em que não acreditava em mais nada que lembrasse relacionamento afetivo. Esse era o assunto da conversa com a sua amiga de infância, Rosane. Ela estudava medicina, não gostava de sair e havia namorado apenas cinco caras ao longo de seus 30 anos de vida. E tinha uma boca espetacular.
Foi olhando para aqueles lábios carnudos e rosados que, num momento iluminado pelo cinismo que crescia dentro de si, Ramon disse:
- Você me faz um boquete?
Rosane achou que não entendeu direito:
- Como é?
- Um boquete.
Ela permaneceu de olhos arregalados e boca aberta.
- Sabe? Um boquete. Aquilo em que você fica chupando o pau do cara até ele gozar na sua boca... Boquete! Pau! Boca! Porra! – e fez o movimento com a ponta da colher entrando e saindo de sua boca.
- Você está maluco?
- Não. Olhe, eu quero gozar. Você é minha amiga, pode fazer isso por mim. Eu até te compro umas camisinhas com sabores... você escolhe: uva, morango, coco, melancia... até de framboesa já tem. Framboesa, lembra? A gente comia junto lá na casa da tia Camélia...
Rosane ficou pensativa.
- É sem compromisso. Apenas uma necessidade biológica. Você é médica, sabe como é. Sem sentimentos. Você vai lá, põe meu pau na boca, chupa até eu gozar, e depois seguimos nossas vidas. É como a gente almoçar, tomar um suco juntos... Apenas uma necessidade biológica... Você fecha os olhos e imagina que é um picolé quente de framboesa... Até passo um leite condensado pra ficar mais saboroso...
Rosane ficou olhando fixamente para a mesa. Dois minutos de silêncio, após lembrar de tudo que o amigo fizera por ela ao longo da vida, soltou um suspiro e disse:
- Está bem, mas só se for com a de framboesa...
*************************

Mari e Sandy estavam namorando há sete anos. Desde que se conheceram, aos 20, começaram a morar juntas. O maior sonho delas era ter um filho. Discutiram muito sobre o assunto. Mari queria achar um pai de aluguel e Sandy era a favor de inseminação artificial. Mari convenceu a esposa de que era mais seguro achar um homem para fazer o serviço. Após anos de estudo, finalmente concluíram que Jony era o cara perfeito: gostava de comer todas, era o que as outras garotas chamavam de bonitão, era fisicamente saudável, porém, o que tinha de atraente, tinha de burro e ingênuo. Ou seja, uma presa fácil: concordaria em comer mais uma, sem se preocupar que aquilo renderia um filho, biologicamente seu (com certeza ele sequer sabia o que significava a palavra “biologicamente”).
A decisão foi tomada, mas Sandy tinha ciúmes de Mari, a escolhida para fazer o serviço (em uma disputa de cara ou coroa) com Jony – colega de ambas na faculdade e estilo “amigão de todo mundo”. Então, combinaram que Mari levaria um gravador para captar a conversa da negociação e, depois, o que aconteceria no quarto.
Conforme o combinado, Mari convidou Jony para uma cerveja no bar do Tuco. Estavam lá, começando a segunda garrafa, falando as asneiras que Jony adorava, quando Mari começou a esfregar o copo na mesa e, aproveitando que o amigo bebericava o seu líquido precioso, soltou a proposta:
- Escuta, Jony. Você é um cara atraente, que todas as minhas gostam... Você me acha atraente?
Como sabia da opção sexual da amiga, tomou um susto. Gaguejou ao responder:
- Si-sim, claro, claro...
- Então. Eu e a Sandy estamos com uns planos... Bom, vou ser direta (até porque se complicar muito ele não vai entender, pensou ela): nós queremos ter um filho. Então, pensamos em você. Vamos num quarto, eu abro as pernas, e você faz o serviço. Só não pode rolar sentimento. É do jeito que você gosta: pa-pum, sacou? No máximo cinco minutos, você consegue? Eu vou levar uma revista para ficar lendo. Passo um lubrificante e você põe seu pau lá dentro e goza. Feito isso, vamos embora e nunca mais falamos sobre o assunto, topa?
Jony tomou o copo de cerveja que acabara de encher em um gole, deu um tapa na mesa e sentenciou:
- Vambora!

1 Comentários:

  • Tive uma colega de serviço, que com a solteironice se aproximando, resolveu fazer uma produção independente. Escolheu um ex-namorado que vivia tentiando ela, esperou ovular e deu pro cara, depois mandou ele passear.
    Nasceu o guri e o cara descobriu que era pai, vivia atazanando a maluca pra assumirem a paternidade e casarem.... só que não, ela não queria.
    Hehehehehe!
    Porra alemão!

    Por Blogger Marcos, às 16 de maio de 2013 12:40  

Postar um comentário

<< Home